Páginas: [1]
Imprimir
Autor Tópico: GREVE, MÉDICOS, DEONTOLOGIA E DIREITOS HUMANOS  (Lida 2112 vezes)
abuumeir
Novice
*
Mensagens: 36


juma.ismael@hotmail.com
Ver Perfil WWW E-mail
« em: Maio 27, 2013, 04:26:50 »

Que a paz esteja convosco,

O Profeta Muhammad disse, Ninguém é verdadeiro crente se não desejar para outro aquilo que deseja a si próprio.

Tudo que vos acontece é fruto do que suas mãos anteciparam (Al Corão)

O problema da saúde começou a decair quando foi dada abertura ao negócio da clínicas. Quantas clínicas e hospitais privados existem neste pais, quem está lá a trabalhar?

Quantos hospitais públicos funcionam na capacidade que deveriam funcionar? Minaram nosso sistema de saúde a anos atrás. As clínicas ficam felizes porque vão receber os médicos turbo. É por isso que chegamos no hospital e não encontramos médicos. Quem vai sofrer é o povo e os enfermeiros.

Direito, Não se pode negar o direito dos médicos, deve-se pagar aquilo que equivale ao seu trabalho. Se eles têm direito, tem direito. Reclamar é um direito se de facto merece e é legítimo.

Deontologia, poderiam haver outras formas de insatisfação sem por em causa vidas de doentes com diálogo, abaixo assinado, pré avisos, etc. A área de saúde é sensível, diferentes de outras áreas. Não podemos admitir negligencia médica, o direito a vida é um direito consagrado. Se deontologia ficou somente na academia, o nosso grau não serve. A medicina é uma profissão divina. Merecedora daqueles que querem curar as doenças da humanidade. Não se pode fazer medicina e áreas afins somente como alternativa de falta de curso ou vaga. Mas não implica que se faça uma escravatura para esta classe. Deve-se considerar. É uma área divina.

A Liga dos Direitos Humanos deveria também defender o direito dos doentes que estão acabando por morrer nos hospitais ou nos bancos de consulta.

Médicos e Enfermeiros, O Ministro de saúde face a esta situação deveria se demitir. Se uma greve ou golpe de estado é  feito por gente que não vai alterar nada e que vai piorar a situação e criar mais prejuízos não vale a pena. Tudo faz-se quando há certeza de que haverá mudança e não estragos. O Dr. Jorge Arroz tem que acautelar-se para não ser alibi ou carne de canhão de insatisfeitos com este governo. Existe alguma ordem dos médicos em Moçambique, como dos advogados e de outros que estão a ser criados? Onde está a central sindical que deveria defender os médicos.

Pedimos paciência aos médicos e enfermeiros, diálogo e outras formas de resolução sem caírem na irresponsabilidade ou por em causa a vida dos cidadãos. A paciência 'e arma da vitoria.

O governo é nosso pai, mas sente-se que este pai tem maus conselheiros que em vez de lhe aconselharem a ouvir e sentir os problemas dos filhos é sussurado e apresentado relatórios que não satisfazem os anseios dos seus filhos (povo) e que muitas vezes põem-lhes contra.

A bela pátria está ser sabotada interna e externamente. Os filhos estão a tornar-se rebeldes, o governo é espelho do povo, a culpa do governo que temos  somos nós.

Tudo que vos acontece é fruto do que suas mãos anteciparam (Al Corão)

Allah não mudará a situação (condição) de um povo sem este povo mude o que tem em si (Al Corão)

Enquanto o povo ser inimigo do estado, não teremos estado, teremos confusão.

Alguns governantes devem aceitar conselhos e não responder com arrogância.
Registado

Abu Umeir
Páginas: [1]
Imprimir
Ir para: