Páginas: [1]
Imprimir
Autor Tópico: Grupos com ligações terroristas em Moçambique protegem rotas de comércio ilegal  (Lida 80 vezes)
Almanakut "Lava Jato" Brasil
Membro Herói
*****
Mensagens: 13841



Ver Perfil WWW
« em: Maio 22, 2018, 10:42:17 »

Grupos com ligações terroristas em Moçambique protegem rotas de comércio ilegal a norte - estudo - 22/05/2018

Os grupos armados que têm atacado povoações do norte de Moçambique são parcialmente comandados a partir da Tanzânia e têm como objetivo proteger o tráfico ilegal de recursos da região, de acordo com um estudo hoje apresentado, em Maputo.

Alguns membros dos grupos terão recebido treino no exterior, junto de milícias com ligações a grupos terroristas como a Al-Shabaab, da Somália, refere-se naquele que é o primeiro trabalho sistematizado a aprofundar o ponto de contacto entre a violência dos últimos meses e aquele tipo de organizações.

As redes de comércio ilícito com as quais os grupos armados colaboram chegam a movimentar verbas da ordem de um milhão de euros numa semana, só em tráfico de madeira, mas traficam também carvão, rubis e marfim, segundo os investigadores João Pereira, Salvador Forquilha e Saide Habibe.

Em conjunto, os três autores do estudo sobre "Radicalização Islâmica no Norte de Moçambique" realizaram 125 entrevistas durante três estadas na província de Cabo Delgado realizadas depois do ataque à vila de Mocímboa da Praia, a 05 de outubro de 2017.

Pelo menos "numa primeira fase" parece posta de parte a aspiração de "estabelecer um Estado islâmico", procurando-se antes "criar oportunidades de negócio para as elites dominantes dos negócios informais naquela região de Cabo Delgado" e assim "alimentar interesses nacionais e internacionais dentro dos negócios ilícitos", referiu.

"O primeiro objetivo [dos grupos armados] é criar uma situação de instabilidade na região para permitir o negócio ilícito no qual as lideranças estão envolvidas" e depois conseguir "a partir destes negócios alimentar outras redes com as quais têm ligações, por exemplo, milícias no Congo, Somália e Quénia, além da Tanzânia", refere João Pereira.

As redes de tráfico em causa envolvem ainda elementos do Vietname e China.

Os grupos armados usam o dinheiro para sustento dos seus homens armados e famílias, dispersos pela área rural de Cabo Delgado - e que assim têm acesso um rendimento raro na zona -, bem como para aliciar novos recrutas e para viagens de supostos líderes religiosos oriundos da Tanzânia, numa missão de mobilização em Moçambique que nada tem a ver com religião,

As rotas de comércio ilegal servem também de base para transportar armas, com embarcações precárias junto à costa e de motorizada em terra - numa alusão aos testemunhos que ouviam motorizadas durante a noite, nas matas, antes de ataques,

"São processos que tiveram o epicentro em Mocímboa, mas com ramificações em vários distritos" pelo que "é difícil ver onde está o comando", destacou, apelando ao desenvolvimento de mais estudos na região.

Sem um conhecimento aprofundado, não será possível combater a ofensiva de crime organizado que, segundo João Pereira, chega a Moçambique no âmbito de um movimento do crime organizado de Norte para Sul e que se verifica em toda a África.

As autoridades moçambicanas têm referido ter a situação controlada e o Ministério Público levantou acusações contra 234 arguidos por porte e uso de armas proibidas, homicídio qualificado e práticas mercenárias, remetendo-os para julgamento.

João Pereira e Salvador Forquilha são formados em ciências políticas, docentes na Universidade Eduardo Mondlane (UEM), em Maputo, e representam no estudo a Fundação Mecanismo de Apoio à Sociedade Civil (MASC) e o Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE), respetivamente.

Saide Habibe participou no trabalho a nível individual como especialista em assuntos islâmicos em Moçambique.

https://www.dn.pt/mundo/interior/grupos-com-ligacoes-terroristas-em-mocambique-protegem-rotas-de-comercio-ilegal-a-norte---estudo-9366502.html


Milícias com ligações terroristas treinaram até 40 membros que atormentam Moçambique - estudo - 22/05/2018

Um grupo de 30 a 40 elementos dos grupos armados que têm atacado povoações do norte de Moçambique receberam treino fora do país por milícias com ligações a organizações terroristas, de acordo com um estudo hoje apresentado em Maputo.

"Foram esses que foram treinados por grupos que operam na região dos Grandes Lados, no Congo, principalmente, e outros como a Al-Shabaab, na Somália e Quénia", referiu o investigador João Pereira, coautor da pesquisa no terreno com Salvador Forquilha e Saide Habibe, naquele que é o primeiro trabalho sistematizado a aprofundar o ponto de contacto entre a violência dos últimos meses e aquele tipo de organizações.

Em conjunto, os três autores do estudo sobre "Radicalização Islâmica no Norte de Moçambique" realizaram 125 entrevistas durante três estadas na província de Cabo Delgado realizadas depois do ataque à vila de Mocímboa da Praia, a 05 de outubro de 2017, na província de Cabo Delgado.

A região vai receber nas próximas décadas os megaprojetos de petrolíferas internacionais para extração e exportação de gás natural.

A zona tem atualmente "várias células" armadas, cada qual "com a sua liderança" e com um comando feito a partir de "outros núcleos ou células que estão espalhadas na zona de Kibiti, na Tanzânia, e noutros distritos vizinhos de Mocímboa da Praia", explicou João Pereira, no final de uma apresentação na Universidade Pedagógica.

"O primeiro objetivo [dos grupos armados] é criar uma situação de instabilidade na região para permitir o negócio ilícito no qual as lideranças estão envolvidas", chefias que, apesar de usarem a religião islâmica como um dos fatores de radicalização e oposição ao Estado, nada têm a ver com a religião.

"Não é por acaso que grande parte do movimento começou como uma célula religiosa", em 2015, mas mudou para um braço armado quando encontrou resistência nas estruturas islâmicas locais.

Nessa altura, começaram a mandar jovens para treinar "na região dos Grandes Lagos, Quénia e Somália".

"Logo que esse grupo de jovens treinados reentraram no território nacional, eles criaram a tal ala militar", ou seja, 30 a 40 indivíduos que tinham sido treinados e iriam voltar para as respetivas células religiosas, para começar a confrontação - como terá acontecido em Mocímboa da Praia.

De acordo com o resultado das entrevistas, um agente expulso da Polícia da República de Moçambique (PRM) fez também parte da ala armada e ajudou a planear os primeiros ataques aos postos da PRM do município Mocímboa da Praia.

Outros dois guardas de fronteira, igualmente expulsos da autoridade, recebiam 25 a 30 mil meticais (350 a 420 euros) para darem treino militar em campos de na região - uns em locais abrigados, no meio do mato, outros nos quintais dos supostos líderes religiosos, ligados às células armadas.

Segundo João Pereira, a situação atual ainda é "de medo e pânico" com os residentes no mundo rural do norte de Moçambique a viver "sem saber muito bem o que vai acontecer amanhã".

Nem militares, nem civis sabem com o que podem contar, referiu, dando conta de depoimentos sobre homens mortos quando vão a caminho dos campos.

Em casa ficam mulheres e crianças que são depois levados para os acampamentos dos grupos armados, de acordo com testemunhos, sem ser possível aos investigadores precisar quantas pessoas já terão morrido desde outubro e quantos membros das células armadas permanecerão no mato.

As autoridades moçambicanas têm referido ter a situação controlada e o Ministério Público levantou acusações contra 234 arguidos por porte e uso de armas proibidas, homicídio qualificado e práticas mercenárias, remetendo-os para julgamento.

João Pereira e Salvador Forquilha são formados em ciências políticas, docentes na Universidade Eduardo Mondlane (UEM), em Maputo, e representam no estudo a Fundação Mecanismo de Apoio à Sociedade Civil (MASC) e o Instituto de Estudos Sociais e Económicos (IESE), respetivamente.

Saide Habibe participou no trabalho a nível individual como especialista em assuntos islâmicos em Moçambique

https://www.dn.pt/mundo/interior/milicias-com-ligacoes-terroristas-treinaram-ate-40-membros-que-atormentam-mocambique---estudo-9366495.html


Milícias com ligações terroristas treinaram até 40 membros que atormentam Moçambique - estudo (editado) - 22/05/2018


Um grupo de 30 a 40 elementos dos grupos armados que têm atacado povoações do norte de Moçambique receberam treino fora do país por milícias com ligações a organizações terroristas, de acordo com um estudo hoje apresentado em Maputo.


https://www.msn.com/zh-tw/video/viral/mil%C3%ADcias-com-liga%C3%A7%C3%B5es-terroristas-treinaram-at%C3%A9-40-membros-que-atormentam-mo%C3%A7ambique-estudo-editado/vi-AAxE4cH
Registado

Almanakut Brasil é um perfil personalizado, destinado aos internautas e comunidades adicionados em todas as regiões brasileiras e no exterior. Divulgar, informar, prestar serviços de utilidade pública, voluntariado, realizar intercâmbio entre os interessados..
Páginas: [1]
Imprimir
Ir para: