Páginas: [1]
Imprimir
Autor Tópico: O colonialismo português em pleno século xxi  (Lida 3579 vezes)
linguadeperguntador
Global Moderator
Membro Completo
*****
Mensagens: 124


Ver Perfil
« em: Setembro 08, 2011, 04:47:52 »

Em pleno século xxi deparamos ainda com cenas absurdas perpetradas pelos cidadãos portugueses residentes em Moçambique.
Muitos são os casos de abusos um pouco por todo o lado no nosso pais, eu já passei por isso em uma empresa que trabalhei que via alguns colegas serem tratados como bichos, e por temerem perder os seus empregos remetiam-se ao silêncio.

Será que não chegou a hora de deixarmos de ser pacíficos?
Será que em nossa casa temos que continuar a ser maltratados como se ainda estivéssemos no tempo colonial?

Sabemos que os portugueses tem vindo a fazer vários investimentos no pais, o que de certa forma e bom para o crescimento do pais mais não lhe da o direito de nos tratar como se fossemos cães.
Se formos ao aeroporto de mavalane todos os dias chegam mais de 100 portugueses ao pais, e eu me pergunto quantos moçambicanos querem ir a Portugal e são recusados os vistos de entrada naquele pais?
Mesmo com a crise económica ainda continuam arrogantes ao invés de serem humildes que só teriam a ganhar com isso.

Sobre a feira internacional (FACIM) que se realizou em Marracuene entre os dias 29/08 a 04/09, aconteceu algo inadmissível que passou normalmente aos olhos dos organizadores. Algo  que eu acho uma tremenda falta de respeito aos moçambicanos que se dirigiram a Marracuene na sexta-feira.
Varios foram os moçambicanos como eu que tentaram entrar no pavilhão de Portugal e foram impedidos alegadamente por não serem portadores de um convite.

Porque será que fomos cobrados 75.00Mtn a entrada e não fomos informados que não poderíamos visitar o pavilhão de Portugal?

Eu tentei entrar e fui prontamente barrado pelos seguranças, de seguida perguntei o que se passava e foi me exigido um convite, eu simplesmente perguntei se estas outras pessoas de raça branca que tinham entrado a minha frente e estas que estão a entrar teriam convites, e o segurança não sobe responder.
Depois como um bom moçambicano que não fica calado comecei a exaltar-me quando o segurança pediu-me para entrar.
Como no meio de muitos portugueses ainda existem alguns com carácter a minha colega foi lá dentro e falou com alguém do ICEP que prontamente veio a porta e convidou-me para entrar.

O que será das pessoas que não sabem se defender?
Porque será que temos que ser humilhados em nossa casa?
Será que ainda teremos que lutar contra o colonialismo?

“Moçambicanas e Moçambicanos, operários e camponeses, trabalhadores das plantações, das serrações e das concessões, trabalhadores das minas, dos caminhos-de-ferro, dos portos e das fábricas, intelectuais, funcionários, estudantes, soldados moçambicanos no exército português, homens, mulheres e jovens, patriotas:
Em vosso nome, a FRELIMO proclama hoje solenemente a insurreição geral armada do Povo Moçambicano contra o colonialismo português, para a conquista da independência total e completa de Moçambique.
O nosso combate não cessará senão com a liquidação total e completa do colonialismo português.”

Foram estas palavras proferidas pelo falecido presidente Samora Machel aos 25 de Junho de 1975 no estádio da Machava, mas sinto que a liquidação total e completa do colonialismo português não esta alcançado e o combate já terminou há muito tempo.

Cremildo Chemane
Registado
Almanakut "Lava Jato" Brasil
Membro Herói
*****
Mensagens: 14263



Ver Perfil WWW
« Responder #1 em: Outubro 10, 2011, 10:39:21 »

Já passou da hora de mostrarem ao mundo, a verdadeira identidade de Moçambique!

Quais são os idiomas nativos?

Tem uma bandeira anterior ou elementos que caracterizariam uma bandeira?

Tem um hino no idioma original?

Quais as línguas que são ensinadas nas escolas?
Registado

Almanakut Brasil é um perfil personalizado, destinado aos internautas e comunidades adicionados em todas as regiões brasileiras e no exterior. Divulgar, informar, prestar serviços de utilidade pública, voluntariado, realizar intercâmbio entre os interessados..
Páginas: [1]
Imprimir
Ir para: